Aê, todo mundo

Seja bem vindo. Não espere boas maneiras ou mensagens edificantes!
Lembre-se: esse papo de 'só o amor constrói' é balela: quem constrói é o pedreiro.

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Feliz o quê?

Papai noel, panetone, peru, parcelamento... putaquepariu! odeio muito tudo isso!
Familhama, amigo secreto, churrasco de fim de ano... Alguém, por favor, manda matá o fiadasputa que inventou o natal!
Sim, nessa época come-se demais (e aí eu passo a correr o risco de ser cercada por ecologistas na beira da praia, todos gritando: encalhou, encalhou! Tragam cordas, vamos levar pro mar... sim, vão me confundir com uma baleia).
voltando ao natal... cara, que merda!

E aqueles pobres desempregados que pegam bico de papai noel? Putz, dá uma dó dos caras, num calor da porra dentro daquela roupa e debaixo daquela barba de nylon... dá vontade de chamar a anistia internacional pra denunciar esse abuso dos direitos humanos.
E a decoração? tem coisa mais brega que decoração de natal? Tem não! Caralhos alados, isso é uma porra de um país tropical aí nego faz pinheirinho com algodão imitando neve... aff (pior foi uma amiga, professora em escola de periferia: fez um pinheirinho com rolinho de papel higiênico recoberto de saquinho dourado de embalagem de café... caralho, que pobreza... me defende!!)

E o centro da cidade?
Putaquepariu!!!! tudo quanto é velha lenta e lerda vai pro centro da cidade atrapalhar o meu caminho! Dá vontade de derrubar todo mundo!
Além das velhinhas tem as donas de casa com sua penca de filhos... todos lerdos, todos atravancando a minha vida. ah, e ao redor de tudo isso tem os batedores de carteira (esses pelo menos são rápidos) dos quais a gente precisa se defender...
O pior ainda está por vir... a noite de natal propriamente dita. Familhama, comilança, beberagem e depois... depois nego briga, se xinga e no dia seguinte todo mundo acorda de ressaca.

segunda-feira, dezembro 10, 2007

Lições da maternidade




Essa é a Preta, nossa filha!
Compramos uma porra de uma máquina digital SÓ PRA TIRAR FOTOS DA GATA...
E aí, a porra da gata, se revelou uma TÍMIDA! Ora pois, deixa estar, que eu dô jeito:

Bom, acho que a foto foi pro lugar errado.
Enfim.
Preta (foi nego véio, o pai (aço) que batizou a fia) está conosco há uns 6 meses.
Nesses 6 meses, aprendi muitas coisas:

1- mãe não tem direito de fazer xixi e côco sossegada.

2- mãe não tem direito de tomar banho sossegada

3- mãe não tem direito de atualizar o blog sossegada

4- pai e mãe não tem direito de namorar sossegados no sofá....

5- além de arrumar a casa pra receber o novo morador, tive de me conformar com "o círculo de amizades do novo morador....

E aí eu me dou conta de que É SÓ UMA GATA, CARAIO!!!!

Espero que as funções de final de ano não me deixem estressada, senão, em breve eu anuncio no blog:
VENDO TAMBORIM!

domingo, dezembro 02, 2007

Meu amor, minha vida, minha patente entupida

Já disse que nego véio é um cara responsa?
Ah, claro que já disse.

Bem, hoje, olhando pra nossa filha, lembrei de uma das idéias mirabolante de nego véio: estávamos nós matando cahorraço à gritaço... a coisa tava feia, naquela época e, todo o mês, meu extrato bancário vinha menstruado. Bem, aí, nego véio chega em casa todo faceiro...

nego véio:olha só, mulher, tem um doido dando 500 conto pra quem achar a porra de um labrador e entregar pra ele... bóra lá procurar o totó...

mulé estressada: beleza! e onde é que esse bendito cusco foi perdido?

nego véio: putz... na cidade vizinha.

mulé estressada: ah, homi, esquece isso e vem comer teu pão com ovo!

De repente, os olhinhos do nego véio começaram a ficar verdinhos. Toda vez que o olhinho dele muda de cor é porque ele tá pensando bobagem.

nego véio: mulé, nós vamo tirá o pé da lama! Agora a gente vai trabalha com cachorro!

mulé estressada: ah, nego, tá louco... tu sabe que a gente não vai ter como manter uma pet shop... esquece!

nego véio: pet shop o caralho, mulé! Nós vamos resgatar cachorrinhos perdidos e vamos receber recompensa... tipo "caça recompensa", sacou?

mulé estressada: Nhá!

nego véio: agora é só a gente pensar num jeito de fazer o maior n° possível de cachorros se perderem...

Mulé estressada: cara, você é uma mente doentia a serviço do besteirol.
Essa não foi a única idéia genial do nego véio de fazer a gente encher o cu de dinheiro. Teve uma outra mais genial ainda:
mulé estressada lendo notícias na internet: olha só que putaria: agora os caras querem criar os tais "créditos de carbono" pros países pobres arranjarem uma graninha preservando suas matas... enquanto os países ricos, naturalmente,seguem destruindo o pouco que lhes resta de natureza.
nego véio, olhando a grama alta no pátio: FANTÁSTICO!

mulé estressada: e tu acha isso bom?

nego véio: claro... é a nossa chance, mulé, tu não tá vendo?

mulé estressada: ahn? hum? pirou de vez?

nego véio: amor, a gente pode se candidatar a uns créditos de carbono... olha pro nosso pátio!

mulé estressada olhando metro e meio de mato na frente de casa: escuta aqui, ô sacripanta do inferno, amanhã é sábado e esse mato, até o final do dia, tem que ter sumido, senão....

nego véio: tsc, tsc, tsc.... tu não tem visão empresarial!

Agora, me respondam uma coisa: era ou não era caso de pedir divórcio?

E o horóscopo? nego véio e eu vendo tv, de repente, começa um lance de horóscopo... aí nego véio vai completando o horóscopo...

Aquário - tá cheio de água

Câncer - tá fudido

Peixes - se não tiver na água, tá fudido também!

Virgem - ah, libera aí, vai.

Leão - nooofffaaaa, vai onde com essa juba, mona?

Sagitário - filho duma égua!

Capricórnio - ah, chifre é coisa que colocam na tua cabeça...

Escorpião - deixa está que eu vou pegar o detefon pra ti!

Gêmeos - bebi demais?

Libra - pesa aí meio quilo de queijo...


E assim foi a coisa.
Agora me respondam: é ou não é o caso de amar pra toda a vida, na alegria e na alergia, na riqueza e no cheque especial, no inverno e no verão, incluindo os dias de GRE-NAL?

sexta-feira, novembro 30, 2007

Latifa - dura na queda

Há muito que eu venho tentando escrever sobre essa figura, e nunca consegui fazer um texto a altura. Na verdade, quando criei essa gazeta infecta um dos primeiros textos programados era sobre ela. Foi recriado várias vezes. nunca ficou bom. Esse também não é um texto a altura, mas vai assim mesmo!


Janeirão, sexta-feira. Um calor da porra. Eu de TPM, final de mês(ou seja, sem um puto), fula porque iria fazer plantão na domingueira e contando os dias pras férias.
Aí, chegam meus colegas da abordagem com uma figura que

a) tinha cara de doida

b) tinha jeito de doida

c) tinha cheiro de doida.

Como quem a trouxe era o Zão, parceiro véio de outras empreitadas, já foi logo levando uma bronca daquelas:

Aí, rapá, o Brad Pitt tu não me trás na sexta-feira, né? Chega mais e vamos ver que coisa fofa é essa!
A coisa fofa em questão era mesmo uma figuraça única nesse mundo. Deveria ter, no máximo 1,50m, negra como a noite, magrinha, magrinha... sua carapinha grisália, caprichosamente ajeitada num autêntico dreadlock que fora penteado para o alto da cabeça e preso graciosamente com um daqueles antigos conectores de porcelana, usados na rede de alta tensão antigamente. Pode parecer estranho, mas aquela mulher maltrapilha tinha muita elegância e bom gosto em seus andrajos.
Já logo na chegada ela veio sorrindo. Um sorriso meigo e doce.
Quando sentamos pra conversar, aí, meu pai, o troço descaralhou de vez.

(antes de tudo, um parenteses: o Zão, meu colega e eu temos a honrosa fama do "axé de louco" tudo quanto é piradinho a gente adota e, em contrapartida, é adotado por eles...)

Vamos fazer o bom e velho prontuário. Ela, depois de pedir licença pra sentar, ajeitou-se na cadeira com as perninhas muito juntas, segurando contra o corpo uma mochila cor de rosa. Da barbie. pude ver que tinha um anel em cada um dos dez dedos da mão e umas cinco pulseiras em cada pulso, além, é claro, dos brincos e colares, que ostentava em profusão e harmonia.
Nome: Latifa
Idade: 11 anos

PArou! outro parenteses:(alguém aí vai dizer que eu tenho uma coleção de criolo de cabelo branco... tenho sim, e daí? é contra a lei?).
-
Florzinha, que ano tu nasceu?

-é... eu fiz 12 anos semana passada. Eu fiquei mocinha, sabe, fiquei (sussurrando pro meu colega não ouvir) fiquei menstruada.

Caralhos alados! ela tá muito mais próxima da menopausa que da menarca! Vamos tentar de novo!

- Então, em que ano tu nasceu, filha?

- ah, isso eu não sei. Eu adoro a barbie, sabia?

- Não, não sabia! E desde quando tu brinca de barbie?

- desde que eu era pequenininha!

- e isso faz quanto tempo?

- pouquinho, né, eu só tenho 12 anos!

A todas essas, com o seu olhar meigo e seu sorriso doce, Latifa, que vinha sem lenço e sem documento, nada nos bolsos e três mochilas cor de rosa nas mãos, até me fez esquecer um pouco do cansaço, do emputecimento e da cólica. Por um momento, aquela peter pan do terceiro mundo, fez com que eu tentasse viajar pelos desvãos de uma alma dolorida, porém, ensolarada.
- Por quê que tu fugiu de casa, Latifa?

- Ah, não sei!

- olha só, a gente vai deixar tu ficar aqui... vou ver uma caminha pra ti e um lugarzinho pra ti guardar as tuas coisas.... mas tu não pode fugir, tá?

- tá.... eu posso usar baton?

- pode, Latifa, aqui pode usar baton.

- onde eu tava não podia usar baton.

Latifa foi pro banho, e quando reapareceu diante de nós já havia trocado o seu conjunto de bijuterias e - não sabemos de onde - arranjado um perfume.
Fui pra casa um pouco mais contente naquele dia.
Ligo o rádio pra ouvir uma musiquinha e... dura na queda. Ouvi na voz de Elza Soares e lembrei imediatamente da minha "menininha" de 12 anos. Ri. Chorei.
Domingo, quando voltei, recebi a triste notícia de que ela havia fugido, tão logo trocou o plantão. Nunca mais encontrei Latifa ou ouvi falar dela. Desconfio que
fosse um anjo caído.

Perdida

Na avenida

Canta seu enredo
Fora do Carnaval

Perdeu
a saia
Perdeu o emprego
Desfila natural
Esquinas
Mil buzinas

Imagina orquestras
Samba no chafariz

Viva a folia

A dor não presta

Felicidade sim

O sol ensolarará a estrada dela
A lua alumiará o mar

A vida é bela

O sol, a estrada amarela

E as ondas, as ondas, as ondas

Bambeia
Cambaleia
É dura na queda
Custa a cair em si

Largou família
Bebeu veneno
E vai morrer de rir

Vagueia
Devaneia

Já apanhou à beça

Mas para quem sabe olhar

A flor também é
Ferida aberta
E não se vê chorar

quarta-feira, novembro 28, 2007

R E D U F I M



Agora sou uma vaca louca com dor de dentes!
Em privação de fumaça, de alcatrão e fazendo dieta... sim né, vocês acham que, além de espirrar eu faço o quê em toda a primavera? dieta, sim senhor! E não me venham com aquele papo politicamente correto de valorizar a minha beleza natural... pras pica a beleza natural, eu quero é ficar gostosa pro carnaval.
Claro está que venho me tornando um perigo para a sociedade.

Apesar de ainda apresentar uma letargia cerebral só comprarada a de uma modelo e atriz comecei a desenvolver a capacidade de dar patadas e distribuir impropérios.
Também, pudera! Pra ajudar, nego véio baixou a discografia do Bee Gees e botou pra rodar todinha outro dia... e depois querem que eu seja uma mulé zen.Por falar em nego véio - esse sacripanta filhodumégua - a melhor definição pra calorias que já ouvi, veio dele: "calorias são uns bichinhos que ficam dentro dos guarda-roupas das mulheres comendo as roupas e diminuindo o tamanho delas. Aí, por conta disso as mulé páram de comê comida e passam a encher o saco do macharedo, que, por sua vez, se puteia e sai pra encher a cara. sendo assim, as calorias contribuem pro aumento da venda de cerveja. logo, isso é uma jogada da indústria pra vender mais e lucrar em cima do proletariado". confesso que, nem nos meus delírios mais paranóides consegui chegar perto disso.
E eu tava falando de quê mesmo? Ahn? ah, sim das calorias na primavera.
Pois bem, está aberta a temporada anual da paranóia alimentar e caça ao tabule.
cada uma tem uma receita melhor pra perder peso: umas dizem que sexo todo o dia ajuda (tem sentido...) outras conhecem um chá MA-RA-VI-LHO-SO, há ainda as que apelem pras boletas tarja preta. Eu, de minha parte, revelei pra todo mundo, um ótimo método pra emagrecer: párem de comer e mexam essas bundas gordas, suas preguiçosas!!!!

Agora, se você leu toda essa bobagem e imaginou que eu estou mordendo os cotevelos de raiva de mim mesma...ACERTOU!!!!
Quero ver acertar o que vai acontecer com esse ser meigo e carinhoso nos próximos dias. Quer uma dica? é só ler de trás pra frente o título desse post... ah, e bom proveito procê também!

quinta-feira, novembro 22, 2007

Anh? Vaca louca

Sim, essa sou eu: uma vaca louca. Na verdade, melhor seria dizer que eu agora sou uma vaca burra. Explico.

Depois de longos 16 anos como fumante compulsiva, inveterada e feliz, resolvi parar de fumar... resolvi um caralho: nego véio se bestou a parar de fumar e eu, como uma verdadeira Amélia, seguindo o exemplo das mulheres de Atenas, resolvi aderir ao suplício,em solidariedade. Acontece que, ao contrário do que eu esperava, não saí a comer de tudo e estrangular pessoas... pelo simples motivo que não tenho forças nem inteligência pra isso.
Vejamos:

Mulé estressada com um miojo na mão. depois de 30segundos: abre o pacote. mais 40 segundos pra colocar água dentro do pote. Aí toca o telefone. Ahn? Ah, atende o telefone. Aí perguntam quem tá falando. Mulé estressada responde: EU! ahn? ahn? Ah, só um pouquinho que vou chamar minha colega. Ah, sim, eu estava fazendo o miojo.
Diante do microondas: meditação de 40 segundos pra decidir o tempo... escolho um minuto. mais 30 segundos pra ligar o botão. Apita o microondas. Aí, toca meu celular pra atrapalhar meu fluxo de pensamentos.

Colega atrasada: aí, tô atrasada... tem miojo pra mim?

Mulé estressada: ahn? ah, tá tudo sob controle, já chegaram os copos plásticos.

Colega atrasada: copos plásticos? eu quero miojo!!!!

Mulé estressada: acho que tô meio zonza... tchau.

Ahn? eu tava onde? ui, tem uma coisa incomodando debaixo do braço...
Ah, o maldito adesivo de nicotina. Agora eu fumo pela pele também... ah, é isso que tá incomodando.

O Bonito entra na sala. Eu tenho a leve impressão que ele tirou uma onda com a minha cara... não consegui dar nenhuma resposta a altura, só consegui dizer: ahn?

Ah, a porra do miojo! Quantos minutos eu tinha colocado mesmo?
Ahn? A água tá demais... derramo metade da água e metade do miojo na pia...
Medito diante do microondas quanto tempo resta e, feitas as contas, levando em consideração o valor de x, o cos-ceno da tangente variável y, noves-fora cheguei à sábia conclusão que deveria colocar mais 40 segundos.

Meu celular interrompe -novamente - o meu fluxo mental.

Amiga - E aí, mulé, vamo tomá todas hoje?

Mulé estressada - Ahn?

Amiga - Tu tá bem?

mulé estressada - cara, tu nem sabe: achei uns desenhos da cobrinha azul no you tube

amiga: mulé, tu tá chapada?

Mulé estressada: - Ahn?

Amiga: - o quê que tu fumô?

mulé estressada - nada. aí é que tá, não fumei nada desde às dez da manhã, já é uma hora e eu nem sei quem estou, onde sou e tu fez o favor de atrapalhar meu pensamento enquanto eu fazia um miojo no microondas...

Amiga: - te ligo outra hora!

A amiga atrasada chega... e o miojo ainda não tava pronto!

No dia seguinte foi pior:
Levando em consideração meu estado mental atual - semelhante ao de uma loira - inferi que não deveria operar máquinas pesadas ou dirigir. como, nessas horas, o universo conspira -contra- nego véio, cheio de dengo, pediu pra que eu fizesse "um pãozinho na torradeira pro seu amorzinho". Alguém já manuseou uma daquelas torradeiras que o pãozinho salta pra fora? Gente, aquilo é muito complexo, tem 2 botões... sem contar que tem que ligar na tomada.
sim, todo o eletrodoméstico tem que ser ligado na tomada pra funcionar. Eu descobri isso depois de 5 minutos diante da torradeira, com os olhos cheios de lágrimas porque ela não funcionava mais e eu não tinha como fazer pãozinho pro meu amado...
Ahn?

domingo, novembro 18, 2007

Aprendendo com o mestre zen



Feriado da Proclamação da República. E eu, trabalhando, óbvio.
Meio dia e tanto, lembro do Mestre Zen de 17 anos filho da minha amiga e seus problemas com a nota de biologia. Ligo pra casa da minha amiga pra falar com o mestre zen. Quem me atente é o mano mais novo do mestre zen.

Mulé estressada: - Aí, guri, é a tia Ane.

mano mais novo: - oi!

mulé estressada: - Teu mano tá em casa?

mano mais novo: - tá!

mulé estressada: (pensando: esse pirralho só responde o quê perguntam...acho que já tá seguindo o caminho do irmão!) Posso falar com ele?

mano mais novo: Ele tá dormindo... quer que eu acorde ele?

mulé estressada: Quase uma da tarde!!! Acorda esse folgado
!
Aqui, uma reflexão: pobre guri! Não bastasse a mãe a lhe atormentar a vida, agora as amigas da mãe também vieram se meter... só mesmo sendo um mestre zen pra não comer todo mundo na porrada ou pedir asilo político no Iraque!

MestreZenComSono: - ãimmm

Mulé estressada: Beleza, magrão! Fala aí o quê que cai na prova de biologia!

MestreZenComSono: Biologia? hum... (silêncio meditativo)é... pô, tenho que ver...

mulé estressada: olha lá, magrão..

MestreZenComSono: aqui, ó: platelmintos, nematelmintos, anelídios, cniddários, moluscos...

mulé estressada: tudo bicho xexelento! Nem esquenta, tenho uma amiga que manja tudo desses bichos xexelentos... tu vai sair da aula craque nessas encrencas aí. diga lá, mermão, quando é que é a prova?

MestreZenComSono: Já foi!

mulé estressada: (arrancando os cabelos)CUMÉQUIÉ? FOI QUANDO?

MestreZenComSono: Foi ontem...

mulé estressada: e aí, mermão, passou a prova e tu não estudou... e agora?

MestreZenComSono: ah, vou estudar pra recuperação, é o jeito...

mulé estressada: e a recuperação, é quando?

MestreZenComSono: ah, sei lá...

Agora me digam uma coisa: é ou não é um mestre zen? tenho ou não razão de querer colar no cabra pra aprender a ser uma pessoa calma e conformada com o destino (ou eu devo perguntar pra minha amiga a quantidade de água de melissa que ela tem colocado no refrigerante das crianças?)

Agora lembrei de um outro telefonema hilário. Alice, minha super amigona, recém tinha entrado pra faculdade de biologia...

- Ane, tu nem sabe: ontem eu vi um chinelão!

-
Grande áfrica! Lice, tu me ligou pra dizer que viu um chinelão?!?!Porra, eu vejo chinelão todos os dias e nem por isso te ligo pra contar...

- Eu vi no microscópio...

- Pô, teu caso é sério... vai no Hugo, meu oftalmo...

- Ah, Ane, tu não tá entendendo: o chinelão é um protozoário...

- Ah... e o que vem a ser um protozoário? é de comer?

- Não, protozoário é um microorganismo unicelular...

- ...que tem qual utilidade?

- ah, não dá pra conversar contigo!


E pensar que uma amizade tão bonita quase se foi por causa de uma porra de um protozoário filho da puta!
Então por essas e outras que vou me tornar discípula do mestre zen de 17 anos filho da minha amiga. Se eu sumir, saibam: estou no msn meditando com os ensinamentos do cabra (sim,vocês acham que um mestre zen de 17 anos vai passar seus conhecimentos como? caminhando na beira de um riacho? se liga, cambada de tiranossauro: tem internet pra gnt tc!flw?)

sexta-feira, novembro 16, 2007

olha só o que me deram!

Olha só o que o Jens, lá da Toca do Jens me mandou! é um selinho, um mimo...




Bem, aí, cumpadi, queria ter palavras meigas pra te agradecer, mas eu tenho uma reputação a zelar... Então, fica combinado assim, mermão: uma grade de ceva por minha conta e um 'salchipão' sábado,(nesse ou no outro?) lá na Banda da Saldanha! (essa, só quem é portoalegrense da gema vai entender!)
Bem, eu tenho que passar o brinquedo adiante, né?

The Oscar goes...

Pra Engraçadinha ://confissoesdoexilio.blogspot.com/) que consegue ser mais desbocada do que eu e, entre uma mamadeira e outra ainda atualiza um blog que tem até musiquinha, pra a Regina,que em sua versão Sheherezade, tem ótimas histórias pra contar e, ainda por cima fez um cordel retado dia desses - sem contar que é pernanbucana, o quê já é em si um elogio, pro Paulo Bono, do Espalitando o dente (http://espalitandodente.blogspot.com/) mano lá de Feira de Santana (agora em Salvador) que escreve um monte de sacanagem, mas é bom pra caralho e pro Marconi Leal um cabra que conheço desde os tempos em que tentou parar de fumar... agora ele tem subpensamentos que são melhores que os pensamentos mais altos de muita gente por aí! (http://marconileal.blogspot.com/).

Aí, cambada de sacripanta, Isso é um agradecimento singelo por me fazerem pensar ou simplesmente rir diante do computador, passando por levemente perturbada ou totalmente desvairada. Valeu rapaziada!

quinta-feira, novembro 15, 2007

Desatenção

Desatenção. e esse o título. No ecziste, eu inventei agora.
Bem, a desatenção de uma pessoa pode levá-la a vários erros ou a simplesmente subestimar o seu semelhante.
Tenho uma amiga do coração cujo filho mais velho é um daqueles adolescentes cumpridos que usam aquelas bermudas de metro e meio de fundilho com meio palmo de cueca aparecendo. Até ontem, ele era apenas o filho da minha amiga, um cara gente boa e meio timidão e, apesar de bonitinho, meio desengonçado (como todo o adolescente na faixa dos 15-17)
Pois bem, ontem eu tive uma revelação. a partir de agora, vou colar nesse cara pra aprender coisas com ele! o cabra é um fenômeno!
Vou dividir com vocês a minha epifânia?:

Minha amiga, a mãe do cabra, entrou em franca paranóia porque o boletim dele tá menstruado. E aí veio me perguntar se eu não conhecia ninguém que pudesse dar aula particular de Geografia e Biologia pro cabra. Calhou tudo, porque tenho duas superamigonas que são, respectivamente, professoras de Geografia e Biologia.
Então, elas pediram pra mim a data das provas e qual o conteúdo que o guri tá mal pra poderem preparar a aula.
foi aí que tudo se sucedeu! A REVELAÇÃO. Acompanhem o diálogo e sintam vocês também:

MULÉ ESTRESSADA: - Aí, rapá, beleza? Tô ligando pra saber quando é que vai ser essa tua prova de Geografia...

GURI GENTE BOA: - Não sei...

MULÉ ESTRESSADA: - Toma tenência, tua mãe tá do lado... mãe não pode saber que a gente não sabe de nada, meu! inventa aí uma data pra ela não te pentelhar.

GURI GENTE BOA: - (risos) é que o cara não marcou ainda...

MULÉ ESTRESSADA: Tá, e o quê é que vai cair na prova?
GURI GENTE BOA: - Não sei...

<
red>MULÉ ESTRESSADA: - Cara, tu sabe quem tu é??????

GURI GENTE BOA: - han? (risos) peraí, deixa eu ver...


E aí, enquanto o guri procurava em algum lugar do seu quarto ou da sua mente qual era o MALDITO CONTEÚDO DA PROVA, enquanto eu já temia pela reprovação do guri (e nem é o meu filho) foi que eu tive a revelação: eu estava diante de um mestre zen de 17 anos!!!!! Segue o diálogo, pra que vocês possam comprovar minhas palavras:


MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA:, - Hãn... é cartografia e demografia...

MULÉ ESTRESSADA: Tá e o quê vocês tão vendo em cartografia, só interpretação de mapas?

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA: - não, sei lá... ah, cartografia não cai, só cai demografia...

MULÉ ESTRESSADA: - Demografia de que região? América latina? Oriente médio?

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA - (longo silêncio meditativo) não, tipo, é geral

MULÉ ESTRESSADA: (arrancando os cabelos) Aí, mermão, vocês usam livro?

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA: - (breve silêncio meditativo) Sim!

MULÉ ESTRESSADA: (aos berros) E QUALÉ O NOME DO LIVRO, RAPÁ?????

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA: éééé´... (pedindo pro irmão mais novo) me alcança o livro aí... (barulho de livro sendo foleado) Tá escrito aqui: GEOGRAFIA!

MULÉ ESTRESSADA: - (à beira de um ataque de pelanca)TU TÁ DE PEGADINHA GURI??? QUAL O NOME DO AUTOR?

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA: - ééé (diz o nome do autor)

MULÉ ESTRESSADA: - (tri afim de esganar o guri) aí, meu, teu caso é sério... descobre mais coisa aí e depois me liga!

MESTREZENDE17ANOSFILHODAMINHAAMIGA: - Tá bom, tchau!

quarta-feira, novembro 14, 2007

Boas vindas

Depois de um dia de cão, e uma noite de pedra acordei hoje com o humor da vaca louca.
Não consigo nunca deixar essa gazeta infecta do jeito que eu quero.
Bem, aqui vai o que deveria ser a abertura do blog:

Liberdade Saúde & Demência
Reminiscências do Paraíso e notícias do mundo cão
Boas vindas a todos que enfrentam a vida de cara limpa e alma lavada, boas vindas a todos que necessitam de "algum veneno antimonotonia " pra chegar ao fim do dia. Boa vindas aos que não sabem quem são, aos que são o que não sabem e aos que sequer tomaram conhecimento da existência. Boas vindas às feministas, aos machistas, aos que não diferenciam macho e fêmea. Boas vindas aos crentes, aos descrentes aos ateus e às átoas. Boas vindas às pessoas sensatas e ponderadas que pensam duas vezes antes de agir e, finalmente, BOAS VINDAS A TODOS OS PORRA LOUCAS DO MUNDO.

sábado, novembro 10, 2007

Assassino da ortografia vai em cana

Extra! Extra!
Polícia paulista prende meliante que assassinou a ortografia!
Erro de português agora dá cadeia!

Fiquei muito feliz com a notícia. O causo é o seguinte: vendo o jornal da noite na TV mostram uma operação da polícia paulista, na qual uma quadrilha é presa depois de levantar suspeitas por um erro de português. Ao invés de escrever "empório" a galera escreveu "impório"... aí, caiu a casa! hehehehehe! Isso prova que, até pra ser bandido, o cabra tem que estudar!

Aí, nego véio e eu - duas mentes brilhantes a serviço do besteirol - ficamos imaginando aquele papo de cadeia:
preso#1 - eu caí no 157.*
preso#2 - ah, me empilharam 157, 159 e 171*... e tu, mermão?
preso#3 - norma gramatical.
preso#1 - pô, quê lei é essa?
preso#3 - Erro de português, me prenderam só por um erro de português.


E o julgamento? hein? hein? já imaginaram o julgamento do cabra? Nhá, eu imaginei:
- Aí, doutor, o negócio é o seguinte: eu sou inocente aí nessa parada do português... o senhor sabe, fiquei pouco tempo na escola, tinha que trabalhar pra ajudar a minha mãe em casa... não deu tempo aí de manjar a tal de otrografia

Agora, o que é duro de pensar é o esquenta que esse cabra vai tomar do resto da bandidagem que tava com ele no assalto.
bandido#1: [com um Aurélio na mão] Toma, vacilão! [batendo com o Aurélio na cabeça do sujeito]
Bandido#2: [empunhando um Houais] Aí, mané, isso é pra tu aprendê a deixar de sê burro
Bandido#3: [armado uma nova gramática da língua portuguesa] Tomam filho da puta! Toma golpe de gramática... vou puxar 10 anos de cana pela tua burrice.

Que isso sirva de exemplo pras novas gerações: se você escolher o caminho do crime, por favor, não assassine a gramática.



*Artigos do código penal. 157- roubo. 159 - extorsão mediante sequestro e 171 estelionato.

domingo, novembro 04, 2007

Tem dias que de noite é assim


... e bate aquela tristeza danada. Então a gente tenta yoga, iogure, orkut,cachaça, candomblé, macrobiótica, pintar o cabelo, ouvir Jimmi Hendrix, aeróbica, cantar no chuveiro, criar um gato, macarrão ao pesto, fazer análise, parar de fumar... mas nada dá certo.

Então, doutor, tem dias que de noite é assim!

E assim será por toda a noite dos tempos!

- Mas o quê é que te aflige, meu filho?

- Minha mãe, doutor. Ela me proibiu de comer vidro!

quarta-feira, outubro 31, 2007

Os pecados do Padre Júlio

(um post falando sério)

Tá rolando na mídia direitosa uma série de acusações contra o Padre Júlio Lancelotti, envolvendo um ex-interno da FEBEM. E uma história muito mal contada, cheia de contradições e pântanos movediços. Não vou me ater a isso, até porque, o grande pecado do Padre Júlio não foi o suposto envolvimento com o - na época - "dimenor".

O grande pecado do Padre Júlio foi, por anos a fio, ter defendido moradores de rua, pivetes da FEBEM e presidiários. E,pior, ter dito que essa gente, além de detentora de direitos básicos também era filho de Deus. Onde já se viu?!

Fosse o padre defender criancinha ranhenta ou velhinho de asilo, não tava passando esse perrengue todo. Não, ao invés disso, lá foi o padre Júlio gritar contra a "limpeza" da cidade de São Paulo. Lá foi o padre defender o direito do "mendigo" de ficar sob o viaduto. Esse papo de que há abrigos e albergues pra todo o morador de rua é balela. Não tem! Nem em Sampa, nem aqui e nem na China. Mesmo que tivesse, isso não é uma porra de uma democracia? Pra muitos de nós é bem difícil (impossível até) entender porque uma pessoa prefere às ruas... é uma questão de saúde mental, sobrevivência e - conheço alguns - princípios morais. Não vou discutir isso. O fato é que essa gente "enfeia" a paisagem, desvaloriza imóveis... enfim, um atentado contra a ordem estabelecida.
Acontece que, por mais FEIOS, SUJOS E MALVADOS que essa gente seja, são SIM detentores de direitos e filhos de Deus (pra quem acredita no cabra).

Só quem trabalha ou já trabalhou com população de rua sabe o leão que se mata por dia pra garantir o mínimo pra esse povo. Não falo só da luta contra a própria condição social e psiquica do sujeito: falo da luta com as mais diversas instituições que se omitem em atendê-los. Ninguém os quer.

Bem, aí Padre Júlio se atirou na defesa dessa gente, contrariando a classe mérdia direitosa paulista, que exige suas ruas "limpas" (eu pago imposto pra isso)
Agora, essa mesma classe mérdia que odeia a plebe rude vai se alvoroçar na defesa do "dimenor" pra ir à desforra com o Padre Júlio...


sábado, outubro 27, 2007

Véio feio reloaded

Mano. Era assim que todos o chamavam. E ele aprendeu com o outro (o do post abaixo) que era fácil me subornar com a palavra chave: BANHO.

Banho era a senha infalível de entrada pra passar por mim.

Bem, mas antes de contar essa história tenho que falar do Mano: assim como o véio do post anterior Mano não era tão velho assim, também era seqüelado de um avc (acidente vascular cerebral) e, como se não bastasse, também era chegado em emboracar toda a cachaça que foi posta nesse mundo cão.
E assim, dia após dia, o MAno chegava caindo pelas quinhentas e eu perguntava:

-E aí, Mano, cuméquié? Assim não vai dar, meu querido...

-Banho, banho.
Sim, ele era seqüelado do avc e eram poucas as palavras que conseguia pronunciar com clareza. Banho, estranhamente, era uma delas.
E assim, munido de toalha e sabonete, ele rumava em direção ao vestiário.
Passaram semanas a fio nessa rotina: nego chegando bêbado, eu ameaçando barrar e sendo subornada pelo banho.
Até o dia em que caiu a casa:
Um outro sujeito vinha chegando borracho e foi sumariamente barrado.Indignado com a minha injustiça, do alto de sua sabedoria alcoólica, neguinho entregou:
- É só comigo, né? Aquele outro chega todo o dia caindo e entra, só porque promete que vai tomar banho... mas ele nem banho toma, só molha a cabeça e a toalha que eu vi...
Atrás de mim, uma pá de nego ria e concordava.
Sim, eu perdi pro véio feio. Pô, perder prum véio feio, seqüelado e borracho???? Pensei em sair dali imediatamente, procurar o zoológico mais próximo e ocupar a jaula da anta! Fui confirmar a história toda... era verdade.
As únicas palavras que pude proferir foi: deixa estar!
E não demorou muito pra minha revanche chegar.

Lá vinha ele, cambaleante, já dizendo: Banho, banho...
Ah, banho, é... deixa estar.
Convoquei um fiel escudeiro e o deixei plantando no vestiário, com a única missão de fiscalizar se o banho estava acontecendo mesmo ou se, mais uma vez, eu seria ludibirada.

Do lado de fora da porta, ferida de morte no meu orgulho profissional e louca de ira, eu gritava:
-É pra lavar tudo, meu! Esfrega tudo aí senão eu vou entrar e fazer o serviço! Caiu a casa, magrão, agora tu vai tomar banho DE VERDADE, todos os dias, mermão!
Sim, assim eu conquistei um inimigo furioso, que, na sua língua peculiar, me presenteou com uma série de impropérios ininteligíveis (mas suspeito que minha santa mãezinha foi lembrada)
Depois dessa, ainda tivemos outras peleias, como na vez que encontrei dentro do tênis dele uma escova de dentes e um limão e exigi que a bagunça fosse arrumada.

Com o tempo, percebendo que a cada novo banho, ele ia ficando mais cheiroso e mais querido por todos, minha mãe deixou de ser lembrada em seus resmungos. Nossa "inimizade" se transformou em camaradagem e durou até o dia em que o Mano voltou para a casa de sua filha.
Nesse dia, todos sentimos uma pontinha de tristeza. Por alguma razão inexplicável, Mano, com sua língua truncada e sua risada fácil funcionava pra nós como um amuleto de boa sorte, como um pedaço de infância perdida.
Na hora da despedida, ainda recomendei: não esquece de tomar banho... e novamente, minha mãe foi lembrada. E com razão!

terça-feira, outubro 23, 2007

Us véio feio

É assim mesmo, sem plural e assassinando o português.
É assim que eu gosto deles: us véio feio.

Todo mundo se preocupa com “mulheres e crianças primeiro”, mas ninguém nunca se lembra dus véio feio.

Pois, se tem uma raça que eu gosto, é a raça dus véio feio.
Mas não é qualquer véio feio que me contenta: véio feio top de linha, véio feio grandão, pra mim, tem que carregar consigo um saco cheio de quinquilharias sem valor.
Sim, um véio feio que se preze, um véio feio de estilo, logo tenta fazer parte de uma estirpe especial: véio do saco.

Ah, quem aqui nunca conheceu um véio do saco?

Bem, eu conheci o véio do saco.

Morri de medo dele.

Bem, isso eu nunca contei pra ninguém, to contando agora: aos 9 anos de idade matei aula pela primeira vez. Terceira série e eu sem o menor saco de multiplicar e dividir, simplesmente saí de casa e fui andando sem rumo pelas ruas planas do subúrbio...

Heis que, num terreno baldio... lá estava ele: O VÉIO DO SACO.
E não era um velho do saco qualquer: além de maltrapilho e barbudo o tal véio era CORCUNDA!
Alguém pode imaginar o horror que um véio do saco corcunda pode causar numa menina de 9 anos????

Até hoje lamento que minha corrida não tenha sido testemunhada pela equipe do livro dos recordes. Com cerveja, eu teria batido todos os recordes mundiais.

Bem, mas não era pra falar sobre pueris lembranças que eu comecei a escrever essa imundície.

A idéia era contar a história de alguns véio feio que passaram pela minha vida adulta, e aos quais devo alguma parcela da alegria da minha vida.

O véio mais feio que eu conheci nem era tão véio assim. Tinha lá os seus 55 anos. Só que além de careca e desprovido de dentes ele era seqüelado de um derrame e, por isso, tinha um lado todo paralizado. Não bastasse ser torto por natureza, o cabra ainda tomava toda a cachaça que deus botou no mundo... Bem, eu era nova e impressionável, então acabava deixando que o véio entrasse desde que tomasse um banho. E não é que o véio foi tomando gosto pelo tal de banho? Toda a vez que me via dizia “banho”, “banho” e rumava pro banheiro. Depois de algumas semanas a coisa evoluiu de verdade: ele passou a chegar com sabonetes, pasta de dentes, desodorante... o véio tava investindo seriamente em ficar cheiroso.

Tudo ia muito bem, até que um dia, ele errou na dose e chegou caindo pelas quinhentas. Fui ameaçada pelas colegas que, se o deixasse entrar, o caldo entornava pro meu lado. Malgrado todas as ameaças eu deixei o pobre entrar... e aí, faltando dez minutos pro final do meu plantão o véio tastaviou e deu de guampa no chão, abrindo um corte no supercílio.

Pensei cá comigo: F-U-D-E-U!

E fudeu mesmo, tive que levar o véio pro Pronto socorro.

E, a todas essas o véio nem te ligo, ria faceiro, nem sentindo a dor do tombo, anestesiado que tava pela cachaça.


Mesmo em toda essa manguaça o véio atinou de pegar o seu arsenal de cosméticos e leva-lo consigo.

Pó, espera em HPS é foda... comecei a brincar com o véio: “Bah, todo esse investimento em perfume... tu deve ta apaixonado....”
E aí, pra encerrar o meu dia com chave de ouro o diacho do véio diz: “è por ti”... e ainda me atira beijinho!!!! Porra, o Antônio Banderas não me atira beijinho!!!


Meses depois ele saiu do abrigo e nunca mais voltou. Procuramos em hospitais, na polícia e até mesmo em necrotérios... nada do véio. Ele simplesmente DESAPARECEU no mundo.





Eu gosto de pensar cá comigo que um dia, muito cheiroso, ele encontrou uma linda princesa que lhe deu um beijo e eles viveram felizes para sempre
.

quinta-feira, outubro 18, 2007

Cê qué mi fudê, aspira?

Não, não vou falar sobre o "Tropa de elite". Agora que estreiou no cinema, perdeu a graça.

Ontem, no centro de Porto Alegre, deu um furdunço daqueles entre a polícia e os vendedores ambulantes. Fechou a rosca e fechou o comércio. Nem sei exatamente o que aconteceu, mas de uma coisa eu sei: toda a minha solidariedade a esses "fora da lei" que gritam CD DVD é a 5, Vale, vale, vale. Compro vale, vendo vale.
Desde o início da década de 90 a informalidade tomou conta da economia brasileira e a saída pra muita gente honesta foi cair na clandestinidade trazendo muamba do paraguai e vendendo baratinho pra proletas como eu que se negam a pagar uma nota preta por qualquer item de consumo.
Sim, assim como o usuário de drogas que sobe o morro e alimenta a violência (discursinho ensaiado do cap. Nascimento pra arrepiar geral) eu alimento o contrabando de quinquiliarias. E não tenho vergonha de declarar. Aliás, me orgulho disso. Tô ajudando muito pai de família a tomar sua cervejinha no final do dia (ah, o leitinho das crianças que se foda!)

Agora que já fiz meu desabafo, vou falar do meu último véio do saco.
Sim, eu tive um véio do saco semana passada.
Coisa mais fofa! No máximo 1,50 de altura, cabelos brancos e um par de olho azul feito bolita. Bateu no portão com 3 sacos (uau, véio do saco com upgrade) a tira-colo e informou um daqueles sobrenomes polacos com muitas consoantes e quase nenhuma vogal (um troço impronunciável que parece som de cadeira quebrando, tipo o sobrenome do nego véio)
Depois do banho o véio até mudou de cor.
É, foi bom mas durou pouco. Depois de uma semana o véio do saco sumiu! sumiu, escafedeu-se, desapareceu! Snif, snif! Eu quero meu véio do saco de volta!
Enfim, macacada, pra encerrar, gostaria de deixar uma reflexão importante: se o bater das asas de uma borboleta é capaz de alterar o equilíbrio do mundo, imagine o que uma cagada de hipopótamo não é capaz!

quinta-feira, outubro 11, 2007

Carroça a vapor is dead, baby

Yeah, macacada!
A carroça morreu! Deu seus ultimos estretores e agora jaz num canto da sala.
Ai nego veio e eu, numa manobra lancinante roubamos a caixinha de varias igrejas e juntamos uns trocados pra comprar um pc novinho em folha. Nego veio, meu personal garoto de programa foi quem montou o bicho... lindinho gente!
Ele so não conhece acento, o filho da puta.
O monitor, herdado do falecido [e de LCD mas o meu novo PC turbo mega gostoão ate [e capaz de tocar meus cdzinhos do Tom Ze...
Bem, gente, so passei pra avisar que voltei. Daqui uns dias volto pra falar de veio feio, vo do badanha e outros assuntos de extrema relev}ancia pra economia brasileira e a pol[itica do oriente m[edio.
Sorte e sa[ude pra todos!

terça-feira, outubro 02, 2007

E agora, macacada?

Seu Renan Calheiros insiste em não abandonar a bendita cadeira de presidente do Senado. Aí, nomeiam dois cabras que são aliados do mangalão pra relatores dos inquéritos restantes... e eu pergunto: isso é um país sério? Ah, conta outra!

Continuo sem PC. Por algum acaso astral hoje a tarde tá tranqüila no trampo e a chefe deixou eu usar a bunda larga dela... ops, quer dizer, banda larga...


Buenas, eu vim aqui somente agradecer as manifistações de pesar e solidariedade com a morte do meu PC.
Por conta da atual pínda (sim, macacada, a minha situação é tão crítica que "pindaíba" é um nível acima) estou fundando uma ong. Sim, a ong "amigos da Ane". Uma organização governamental sem fins lucrativos, destinada a promover a reinclusão digital de Ane, uma desassistida pelo poder público, ex-classe mérdia...


Ah, tão rindo, é? Então me digam o seguinte: tenho 30 anos. Logo, não posso mais ser incluída nos programas da juventude... mas ainda não posso ser considerada de 3° idade (e tenho que pagar passagem no busão todo o dia...). Não ganho bolsa família, tampouco propina de lobistas... não tenho isenção de impostos de nehuma natureza porque não constituí nenhuma multinacional (alô BNDS, empresta um dinheirinho pra eu?).... enfim, tenho que me segurar com o meu salário merreca.

Então é isso: eu podia tá roubando, podia tá matando, podia até tá cavando um filho com algum jogador de futebol ou senador... mas eu sou limpinha, tá! Tenho princípios morais, porra! então aí, pessoal, tô aqui pedindo um ajutório, qualquer notinha de dô ráu, dé ráu tá valendo. Que Deus, Alá, Oxalá, Buda, Jeová e Krshina abençoem vocês!

sábado, setembro 29, 2007

Carroça à vapor

Tô usando a bunda larga do Bonito, o que significa que... SIM, meus 2 leitores adivinharam: Tô de plantão!
Bem, o meu PC véio de guerra foi pros côcos! Fudeu!
Pouco antes dele falecer, nego véio, indignado com o barulhão que aquela porra fazia gritou lá da cozinha: Desliga logo a carroça à vapor e vem pra cama, mulé du inferno (lembrem-se, crianças: o segredo de um casamento duradouro e feliz reside nas pequenas demonstrações de afeto do dia-a-dia!)


E foi assim que, sob a denominação de carroça à vapor, nosso velho PC, que me acompanhou os 4 anos da graduação, que pauliou dias e noites citando Marx, Hobbsbawn e até Locke, ele, que muito apanhou de mim nos finais de semestre, ele, que na era orkutiana muito scrap desaforado mandou... MORREU!

CARALHO, O MEU PC MORREU! um minuto de silêncio pelo meu PC, por favor!Por favor, nem tentem me consolar dizendo que todos tem sua hora, que cada um cumpre seu destino... snif, sinf...


Bem, o pc morreu, antes ele do que eu!

Vamos ao que interessa:

Bem, constatei que não há nenhum novo escândalo no front, que já descobriram quem matou TAís, que presidentes culhudos da América Latina continuam metendo o pau no Bush, que o aquecimento global já chegou em Porto Alegre... enfim, como não tenho porra nenhuma pra reclamar no momento, vou ficando por aqui.

Sara morreu! Salim vende fusca 78

segunda-feira, setembro 24, 2007

Veja no que deu

Essa eu li lá na Botequim Socialista, uma comunidade responsa do orkut, e resolvi dividir com vocês:

Editora Abril é citada como suspeita no relatório da Polícia Federal sobre Mensalão Mineiro

Essa história vai longe. Enquanto o Procurador Geral da República, Antônio Fernando de Souza, analisa o relatório da Polícia Federal sobre o Mensalão Mineiro, para decidir se denuncia ou não o senador Eduardo Azeredo - o chefe da organização criminosa que desviou R$ 100 milhões dos cofres públicos em 1998 - a leitura das 172 páginas do calhamaço vai revelando novos suspeitos.


Suspeitos não são apenas os 159 políticos que receberam dinheiro. À página 87 do relatório da "Divisão de Combate ao Crime Organizado" a Polícia Federal relata que a Editora Abril S.A. recebeu R$ 49.331,00 (quarenta e nove mil trezentos e trinta e hum reais) referentes à inserção de um anúncio publicitário da empresa Usiminas, na revista Exame de 29/07/1998.


A Polícia Federal estranhou porque normalmente estas faturas são pagas pela empresa anunciante, mas a Editora Abril não soube explicar o porquê desta fatura ter sido paga pela agência que INTERMEDIOU o serviço. A Polícia Federal concluiu: “É uma típica operação de triangulação”.


É grave a suspeita, porque “acredita-se – relata o documento – que esse pagamento à empresa Abril foi uma operação típica de triangulação realizada pelo empresário MARCOS VALÉRIO para dissimular o desvio de recursos do GRUPO BEMGE, no âmbito de mesclar recursos de faturamento normal da empresa com outros recursos de origem ilícita”.

E mais não disse a Polícia Federal. E é preciso dizer mais?

terça-feira, setembro 18, 2007

Liberdade, Saúde e Demência

É isso que significa o LSD no URL dessa porra dessa gazeta.
Tá, eu sei que ninguém me perguntou, mas eu resolvi dizer assim mesmo.
LIBERDADE - é o conceito do blog, onde me dou ao desfrute de falar(?) toda e qualquer bobagem que me venha à mente.

SAÚDE - essa porra desse blog é uma tentativa de manter minha saúde mental... meu cérebro precisa ser oxigenado. (percebo um risinho sarcástico e uma cabeça balançando... tem nego dizendo que meu cérebro não funciona muito bem faz tempo...)

DEMÊNCIA - Vocês viram que o Pedro de Lara morreu? Tão ligado que a água do planeta vai acabar? E o pau no Iraque, acaba quando? E por que raios o banco me dá 0,qualquer coisa quando eu deixo minha merreca na poupança e cobra 9,muito quando me empresta uns merréis na imundície do cheque especial? (tá explicada a demência?)

sábado, setembro 15, 2007

papo de macho y otras cositas

Junte quatro ou cinco mulheres na faixa dos 25-30 anos numa mesa de happy hour e observe o desenrolar do assunto. Depois de temas cruciais e metafísicos tais como: "onde você achou aquele casaco tão barato?" "Descobri um creme MARAVILHOSO pro rosto!" e "a dieta milagrosa que a fulaninha fez" invariavelmente haverá uma drástica queda no nível das conversas: trabalho, planos pro futuro (estudo, viagem...) e, finalmente,o tema central da noite: HOMENS.
Sim, eles, esses seres infernalmente maravilhosos sem os quais nossa vida não teria a mesma graça.
E como falam mal dos pobres coitados. As que já tem os seus desfiam um rosário de queixas dos defeitos do ser amado. As que não tem o seu homem, reclamam da qualidade do mercado. É nessa fase da conversa que me dá vontade de sair.
Acho que é por isso que eu adoro sair pra tomar ceva com nego véio e seus amigos. O papo é sempre de um altíssimo nível.
Vejamos:
nego véio - Meu, tu viu aquela máquina que largaram lá?

Brother de fé do nego véio - Vi, o cara que fez aquilo não tinha um pelo no cu!


Entre os machos "não tem um pelo no cu" é um xingamento do mais alto gabarito. Dizer que alguém "não tem um pelo no cu" equivale a rebaixa-lo ao máximo na escala social e animal. É mais forte que dizer que o sujeito não tem cérebro, não tem mãe ou, pior de tudo, é fã de comédia romântica.


*******


Em São Paulo tão ferrando com a merenda das criancinhas.Em Canoas, minha cidade, também. Tão pagando caro pra empresas falcatruas que diminuem a quantidade e a qualidadade do que é servido pra gurizada. Por isso, agora a plenos pulmões eu grito: Kassab e Roncheti não têm um pelo no cu.


*******


O tempo é implacável. Comecei a sentir umas dores estranhas na lombar... me disseram que é um tal de nervo asiático... daqui há pouco o europeu, o ameríndio e o africano vão começar a incomodar também!

quinta-feira, setembro 13, 2007

Bando de filhos da puta!

É, o título é esse mesmo: BANDO DE FILHOS DA PUTA!
Já devem ter escrito horrores na blogsosfera sobre a absolvição do Renan Calheiros... mas eu não pude me conter e desabafar!
Volto a dizer: quero o caveirão tocando horror em Brasília!
Quero ver o caveirão subindo o planalto central e tomando a boca!
Quero ver senador e outras "otoridade" tomando esculacho dos cana dura!


O meu emputecimento é tanto, mas tanto, que nem o meu aniversário de 30 anos hoje me fez feliz.
(É, macacada, agora sou uma mulher de 30! Sei lá que porra isso significa, mas hoje nego véio vai descobrir como é comer uma trintona heheheh! pode ser que ele até conte como é a sensação - pro causo de alguém aqui não saber como é a coisa)

Quem quiser me obsequiar com algum mimo, desde já aviso que ficaria muito grata em receber garrafas de vidro e alguns litros de diesel... Tô indo pra Brasília, pra brindar com muitos coquetéis (molotov) na praça dos 3 foderes!

terça-feira, setembro 11, 2007

A vida a dois

>- Amor, me passa a chimia?

- Sim, nega, mas faz o favor de tirar esse papelzinho metálico daí, sim?


- Pra quê?


- ora, porque tem que tirar!

- Por que tem que tirar?

- Porque sim, ora!


- Tá, baseado em que tu afirma que tem que tirar essa porra desse papelzinho?

- Tu fumou um baseado?

- Baseado? Eu perguntei baseado em quê? E tu? Comeu criança quando era cocô?


- Tá, tu tira essa merda ou deixa que eu tiro?

- Ninguém vai tirar bosta nenhuma aqui! Esse papelzinho é uma proteção extra contra... contra....


- Aha, viu só, nem tu sabe pra que serve esse troço.

- ah, não fode, porra!


Claro que um casamento nem sempre é assim, há momentos mais tensos, tais como a discussão para o aumento da família.


- Gatinha linda, bem que a gente poderia ter um bichinho de estimação...


- falaste Bem: poderia, do verbo num pode mais.

- ah, bem, a gente podia ter uma gatinha.

- Nós já tivemos uma gatinha e não deu certo.


- Não: tu não deu certo com a gata e comeu ela na porrada.


-Sim, né, a bicha queria ocupar toda a cama e ainda dormir NO MEIO e quando eufui botar ordem no puleiro ela fez fuufuuu pra mim?!

- tu já fez coisa bem pior que fuuufuuu pra mim e nem por isso eu te comi na porrada
.

- Tá me ameaçando?

- Não, só tô dando um exemplo...

- Sabe o que eu tô achando? Tu era bem capaz de preferir ficar com aquela gata do que comigo... só proque era um raio de siamêsa de olho azul...

- Ah, amor, esquece essa história... a gente podia tentar de novo... ia ser bom...


- Ia ser um saco: comprar comidinha, caixinha de areia...

- ah, eu cuido!

- Cuida um escambau, vai sobrar é pra mim!

- Ah, como tu é chata!

- Tu é que é um pé no saco com essa história de bichinho... só porque tu não teve na infância agora quer transformar a nossa casa num mini-zoo.

- Eu só queria UMA gatinha.

- è assim que começa: depois da gatinha, um cachorrinho, depois do cachorrinho, outro cachorrinho porque o cachorrinho n° 1 tá muito sozinho, depois do cachorrinho um peixinho dourado... ah, nem tenta!


- Porra, mulher, má vá sê melodramática assim lá na casa do...

- Por que que tu não encheu o saco da tua mãe pra ter um bichinho? hein? hein?

- A gente morava em apertamento!

- Tá, e daí agora eu é que pago o pato por tu ser um guri de apartamento!?

- Ah, eu detesto quando tu me chama de guri de apartamento

- Ah, não fode!


Essa é uma obra de ficção! qualquer semelhança com fatos ou pessoas reais é mera inspiração!


11/09/1973 - Assassinato de Salvador Allende no Chile e início da ditadura Pinochet,

11/09/1978 - Nascimento o senhor nego véio (que não era senhor, tampouco nego véio, só um bebê careca, pelado e desdentado) que veio ao mundo pra torná-lo mais alegre e mais doce. Parabéns, amor da minha vida!

domingo, setembro 09, 2007

Manchetes do mundo cão

"Podle mata pit bull... engasgado"

"Vó do Badanha afirma: estou livre para amar"

"Cientistas eslovenos publicam pesquisa sobre o comportamento sexual das lagartixas"


"Socialite loira é flagrada pensando"



É isso aí, macacada, "o sol nas bancas de revistas me enche de alegria e preguiça". E quem lê tanta futilidade? Há no mercado uma revista chamada "Quem" e eu sonho em ter uma grana responsa pra lançar outra revista: "...Te perguntou?"
Agora o povo quer saber quem matou Taís... eu sei quem matou a Odete Roitman... não serve não?


Não era sobre futilidades que eu queria falar não! Estava pensando no centro de Porto Alegre... aquilo é demais! Compro vale, vendo vale! vale vale, vale! CD DVD!CD, DVD!Pivetes, sirenes, donas de casa cheias de compras, o maluquinho que pisa em pregos, o cara que vende a "banha do peixe boi" (gente, vocês não conhecem a banha do peixe boi? Segundo o carinha que a vende ela cura desde unha encravada, pau deitado, espinhela caída e acne...)Enfim, essa muvuca geral tem o seu encanto. Fica mais divertido ainda quando alguém grita "olha a chuva" e toda a turma do comércio informal sai correndo do rapa! Aliás, algumas vezes eu mesma precedi o rapa gritando "olha a chuva"... é uma emoção inenarável.
Agora, imaginem o centro de uma cidade daqueles países ricos e gélidos: Estocolmo, Berlim, Bremem... imaginem tudo muito organizado, muito limpo, sem camelô, sem gritaria, sem mendigo batucando samba enredo em lata de lixo... imaginaram? Ficaram tristes? Pois é, eu também ficaria.

sexta-feira, setembro 07, 2007

Erudição é tudo

Corria o ano da graça de 1984. Abertura política, Tancredo Neves morrendo,
aquela porra toda. E eu, aos 6 anos de idade (não façam contas, fiadaspúuu) me
alfabetizava com a professora Anete. Mi madre nº1 (a (i)responsável por eu estar
nesse mundo cão)e eu numa viagem de ônibus do subúrbio pro centro da cidade. Era
um feriado qualquer. Heis que entra no coletivo um cidadão completamente
alcoolizado, carregando consigo um garrafão de vinho. E o cabra desandou a
falar:

"Vocês acham que vai dar certo essa tal de Democracia? Democracia é o governo do
Demo! (e dava risada com a piada infame). Olha só, a milicada era um bando de
filho da puta, mas essa turma aí ó... aqui, não adianta se iludir, a gente vai
continuar ó top! top.
E desde que essa merda começou a gente só top top.
Quem sifu primeiro foram os índio. Portuga chegava, dava espelhinho, machadinha,
miçanga e o índio dê-lhe a trabalhar, trabalhar, trabalhar. Aí o portuga comia
as índia tudo, levava tudo quanto era árvore pra fazer dinheiro nas Europa e o
índio?... o índio sifu.
Aí os portuga mataram a índiarada toda com gripe,
com sarampo, com sífilis e aí acharam a negadinha lá na África. E traziam os
neguinho nos navio negreiro. E os negrinho... bah, os negrinho foram os que mais
top top nesse país. Era pai pra um lado, filho pro outro, irmão pra cá, irmã pra
lá... e dê-lhe a plantá cana de açúcar... e plantavam cana e apanhavam... e
Portugal enchendo o cú de dinheiro...

Por essas alturas metade do ônibus ouvia a "aula" do bebum. Aí, como sempre, uma senhora reclama: tem criança aqui e o senhor falando bandalha!

Bandalha? Bandalha é o que veio depois, minha senhora! A tal de família real,
sentindo que o Napoleão ia invadir Portugal, deixou todo mundo lá, pra top top
na mão do Napoleão, e veio pra cá, pro Rio de Janeiro, que bobo eles não eram de
vir pro Quintão, né, minha senhora? E aí, era baile na corte, a corte isso, a
corte aquilo... o Dom Pedro I criado no meio da gandaia e o povo trabalhando pra
sustentá... o povo sempre ó top top.
Aí, inventaram a tal de independência.
Pra sê bem honesto, eu nem lembro porque que inventaram a tal de
Independência... o Dom Pedro, no lombo duma mula, foi lá na beira do riachinho e
deu uns gritinho e aí acharam que eram independente... independente uma pinóia.
Tiveram que pagá uma grana preta pra Inglaterra, que era quem mandava no mundo
naquela época, pra serem reconhecido como "independente".
Aí, o Dom Pedro I
- que era um baita dum salafra - se manda pra Portugal, deixa aqui o guri com 5
anos de idade... Aí botam um tal de Padre Feijó pra mandá nessa merda! Agora
vocês me digam uma coisa? Onde já se viu padre mandá em política? Cada um no seu
cada qual, já dizia a minha falecida maezinha, que deus a tenha.
Só que o
tal do padreco não deu conta, foi um tal de todo mundo se revoltá e aí deram um
jeito do Dom Pedro II assumi o trono com 14 anos! Mas, ora, vejam só, onde já se
viu num país sério guri mal saído dos cueiro apitá de rei? Pois foi o que
aconteceu, botaram o tal piá de rei dessa esculhembação!
A coisa continuou, até o bebum descer... ele chegou até a proclamação da República... foi a primeira aula de história que eu tive na minha vida. Dizem que a primeira a gente nunca esquece.

quinta-feira, setembro 06, 2007

Montes Claros, Minas Gerais

Chegou numa sexta-feira. Cara de nordestino, fala de nordestino. Mulato, 1,70. Cabelos brancos aqui e acolá. Trouxe consigo 2 grandes sacos cheios de quinquilharias diversas: relógios quebrados, papéis rasgados, latinhas amassadas. Foi convencido a vir com a promessa de uma bolachinha recheada. Falava tão rápido quanto uma metralhadora e o texto era esse:"Vim de Montes Claros, Minas Gerais, tô estorrengado, cavá vala, cavá vala. Tava debaixo da ponte, vim de pé, Montes Claros, Minas Gerais.


Confesso que tive uma pontinha de receio: o cabra, além de piradão geral era forte e meio mal encarado. Bem, de toda a forma, era obrigada a fazer a porra do prontuário (ah, sempre eu nessas fitas engratas!)

Nome: Valdir Soares Ferreira

Idade: 22 anos

Peraí, cumpadi, onde já se viu? Criolo de 22 anos com cabelo branco? se tu tem 22 eu tenho 15! E aí o sujeito, na maior cara de inocente me pergunta: E não tem? Pô, comecei a gostar desse cabra...

Bem, o causo é que o sujeito disse nome do pai, nome da mãe, data de nascimento (alguma coisa no ano de 1954) e continuou dizendo que veio de Montes Claros, Minas Gerais. E veio como, magrão? A resposta: Vim de pé, vim de pé! Passei por Itamarajú, Linhares, Pedro Canário, Teixeira de Freitas, Volta Redonda... E eu, cada vez mais convencida, de que o sujeito era malucão geral.

Até que um dia, achamos um mapa rodoviário do Brasil.
Estendemos o mapa sobre a mesa e ele foi nos mostrando o seu caminho: e estavam lá todas as cidades, na margem da BR 101. Meu queixo caiu.
Isso já faz bem um ano. Ele fugiu 3 vezes e nas 3 foi resgatado. Nas três vezes que fugiu, seu desejo era o mesmo: Voltar pra Montes Claros, Minas Gerais. Há 3 dias foi resgatado de sua última fuga... dessa vez ele pegou a BR116 e já tinha atravessado 2 municípios. Voltou por um pacote de bolachinhas recheadas; mas já avisou que quer voltar pra Montes Claros, Minas Gerais. E agora, até eu, tô afim de conhecer essa bendita cidade!

domingo, setembro 02, 2007

Meu! Meu! tudo meu!


Dois quilômetros a pé. Todo dia. Não, não é promessa e também não é pra manter a forma: é pra economizar a grana do buzão mesmo.
Nesses dois quilômetros trilho, quase sempre, o mesmo caminho... é que, nesse mesmo caminho encontro o meu velhinho, as minhas azaléias, os meus cachorros e os meus gatos.
Meu! Meu! tudo meu!
Bem, o meu velhinho é uma graça: negro como o breu, trás uma cabeleira tão branca quanto a neve a emoldurar seu rosto. Calculo que já tenha passado - há muito - dos cinqüenta... No entanto, anda empertigado e rápido, trazendo consigo uma pasta de couro... não sei seu nome, tampouco o que carrega na tal pasta, mas basta que ele cruze o meu caminho para que eu lhe admire a figura esguia e ágil e pense com meus botões: Hoje tá alegre o MEU velhinho.

Cachorros, tenho muitos pela rua. Estão em pátios alheios. Que importa, se, quando passo todos me saúdam abanando as caudas e latindo faceiros junto ao portão? Fazem parte da tribo dois labradores, dois viralatas e um dog alemão (é a marca de cachorro do Scooob Doo).
Gato eu tenho só um, por enquanto: ele parece o Tom do desenho animado e foi amor à primeira vista: logo que o vi me encantei, o chamei e - surpreendentemente - ele veio e se aninhou junto às minhas pernas... todo o dia, no mesmo horário tínhamos um encontro marcado. Cheguei a pensar que não tinha dono... engano. Acabei ficando amiga do dono também. Há também o amarelão e o gato branco... tem um siamês que também vem junto de mim toda a vez que dou sorte de vê-lo. Mas meu, meu MESMO só considero o Tom.
Quanto ás azaléias... são todas minhas! Basta que meu olho encontre o roxo resplandecente e inebriante delas num dia nublado... basta que as olhe com ternura e, quase às lágrimas, deseje que sua vida seja doce e suave...

quarta-feira, agosto 29, 2007

Sem título

Mais um escríto da série “meus dedos gelados espancam o teclado”?

ah, me poupe!
Que tal então mencionar a tríade “solidão-café-cigarro”...
putz, má que clique dos infernos!

Tá, então começa assim: a chuva fina na janela...
– aí, qué que eu corte os pulsos?
Bom, então assim: diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral...

- Pó, tá aí, gostei desse lance da “insônia ancestral”... parece até frase de prêmio Nobel...
Vãobora:

Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral, lembrei que tinha que comprar papel higiênico e ração pra gata...
-
- Pára, pára tudo, sua demente! Onde já se viu fazer lista de compras diante da insônia ancestral!? Diante da insônia ancestral é pra pensar no sentido da vida, na fluidez do universo, na insensatez humana... estourando a fita dá pra pensar no que seria do mundo sem o computador... mas lista de compras?!?! aí já é demais.

Acontece, que eu não tô conseguindo nem a chuva fina... e meus dedos estão, de fato, congelados espancando o teclado, porque nessa casa não tem calefação, estufa ou o que quer que seja...

-Tá, quer que eu faça o quê?

Dá pra me trazer café?

Não, eu não vou te trazer café, estrupício. Bora escrever!

Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral “eu vou pra maracangalha, eu vou! Eu vou de uniforme branco/ eu vou/ Eu vou de chapéu de palha, eu vou”
Pára, sua mentecapta. Isso lá é hora de ir pra Maracangalha?

Tá aí, Maracangalha! É um nome ótimo pra uma daquelas histórias tipo Ilusionismo Fanático!

- Ilusionismo fanático? Que porra é essa?

- Aqueles lances prêmio Nobel, tipo trocentos anos de solidão...
-
Ai, Jesus, me chicoteia! 100 anos de solidão... e de onde saiu o ilusionismo fanático... é REALISMO FANTÁSTICO!

- Ah, ilusionismo, realismo, dá tudo na mesma merda no fim das contas.

- Ah, não, agora resolveu bancar a niilista! Tsc, Tsc, Tsc...

- Tá bom, vou começar tudo de novo: Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral, finalmente, após longos anos de tentativas frustradas cheguei a conclusão que eu escrevo mal pra caralho. Ponto final. Fim de papo.

terça-feira, agosto 21, 2007

Magro. Alto. Devia ter lá 1,80 e seus 60 kg. Tinha
cabelos brancos e usava um bigodinho esquisito. Aparentava uns 50 anos. Caminhava muito rápido e trançava as mãos frenéticamente.

Lá estava ele diante de mim.

- nome?
- João
- idade?
- 19
(
silêncio constrangido de minha parte, a caneta desliza
sobre o papel mas não marco nada)
- Estado civil ?
- casado.
-Teve filhos?
- Sim?
- quantos?
-19
(ah, puta que me pariu, pensei)
- 19 é teu n° de sorte?

- É.

- Tem certeza que não é 18?

- 19!

Nota: aqui no RS 18 é a gíria pra louco.

Nota 2: isso foi real, teve testemunha, inclusive... só mudei o nome do 19 pra não ficar chato.... é por isso que eu bebo guaraná.

sexta-feira, agosto 17, 2007

Cansado de ser besta?


Cansei desse tal de movimento cansei. Resolvi postar uma fotinho, ja que meu teclado esta completamente esquizofrënico e náo me permite uma correta acentua;áo.

domingo, agosto 12, 2007

ode à escala(ou como escapar de almoços de família)

Uma das grandes vantagens de trabalhar em sistema de plantão é a desculpa.

Marcaram um jantar de família? Diga consternado: puxa, eu tenho plantão no dia seguinte.

Dia das mães? Plantão! (isso é ótimo pra resolver aquele conflito clássico: almoçar com a mãe ou com a sogra? Tá resolvido: você não almoça com nenhuma das duas e não é obrigada a discutir a relação com o nego véio. Ah, você não é casou mas tem 2 mães (sim, gente, é possível, sou testemunha disso) Ligue pras duas e diga: O Bonito (meu chefe) me colocou de plantão... sinto muito.

Natal. Natal é uma desgraça, cá entre nós: aquela parentada tudo meio bêbada, criançada choromingando presente... nada disso: plantão. "Bah, tenho plantão dia seguinte..." resultado: tal qual a Cinderela, antes da meia noite eu caio fora. Eu hein?

Hoje é dia dos pais. Bem, adivinhem onde eu estou? Dou um doce pra quem adivinhar! PLANTÃO. I LOVE PLANTÃO. Graças ao plantão eu escapo de todos os compromissos sociais aos quais a boa educação me obriga a ir (mas o meu péssimo humor me impede de comparecer... )

Se alguém, por algum acaso, quiser um álibi pra próxima data festiva, me dá um toque que eu falo com O Bonito pra te encaixar na escala

.

.

.

.

Hei, ainda tem algum pai (paiaço) esperando aindaum feliz dia dos pais? ah, vapá...



terça-feira, julho 31, 2007

NAMASTÊ

Gostaria de declarar o meu profundo respeito a
todos os seres deste mundo que encontraram a fé, a verdadeira fé e que
a vivenciam constantemente. Sim, acreditem, tenho um profundo carinho
pelas pessoas que praticam alguma religíão.

Religião, meus caros, vem do latim religare;
significa tornar a ligar... retomar o contato do humano com a sua essência primordial, com a perfeição suprema ou a divindade que lhe deu origem. Religião é a tentativa humana de explicar o
inexplicável e dar algum sentido pra questões cruciais da existência humana,
tais como: de onde viemos? Qual sentido da vida? para onde vamos depois do
derradeiro suspiro? E por que diabos eu nasci vesgo?

Falando sério, pesquisem e verão que todas as religíões até então conhecidas versam, sobretudo, sobre esses temas: o milagre da vida, amor ao próximo, justiça, e o bônus track (ou seja: depois que bate as botas, o quê acontece com o sujeito)
Dito isto, gostaria de deixar claro o seguinte:

1. Não me convidem pra ir a terreiro de macumba. Só
vou a terreiro de boacumba.

2. Tá pregando a palavra e quer que eu te ajude? 'Bora
me dá um prego e um martelo... mas não aporrinha meu saco citando a
Bíblia.
3. Testemunha de jeová, eu? Porra, nem conheço o
cara....
4. Santo Daime? Tomá chazinho estranho e ver bichinhos
no meio do mato? Valeu, mermão, mas o médico proibiu.

5. Meditação zen em templo budista na serra? Eles me
aceitam se eu for zen grana?

7. Eu adoro laranja... mas daí a virar hare Krishina vai uma boa distância...

Então é isso, pessoal, que Buda, Deus, Oxalá, Tlatleloko, Krishna , Jeová e Alá lhes acompanhem, lhes iluminem e lhes perdoem, bando de pecadores que tão lendo essa blasfêmia ao invés fazer algo que preste! Vagabundagem braba!

sábado, julho 28, 2007

O ser e o nada

Outro dia, reclamando de fortes dores na coluna - certamente um reumatismo
precoce causado por este frio intenso e totalmente desumano que faz em Porto
Alegre - uma amiga recomendou uma tal de terapia olhística.

-Pô, véio, meu problema é nas costas, não nos zóio!

- Não é olhistica é HOLíSTiCA...
Aí me foi esclarecido que eu deveria buscar um desenvolvimento espiritual,
tipo,
fazer uma viagem ao interior de mim mesma (embora tenha tanto lugar
mais
interessante neste mundo) e descobir os caminhos que me levariam a uma
existência mais tranqüila, e harmonizando os meus sítios, fazendas...

- Chácras, eu disse chácras. são os teus chácras que estão desequilibrados.

Bem, chácara, fazenda, seja lá o que for, eu moro em apartamento.... Bem, o
causo é que, desfeito o mal entendido, lá foi a anta pra uma tal
sessão de terapia holistica.
pra começar o lugar não tinha cadeiras... aí, todo mundo que ia chegando,
ia tirando o sapato.
Pô, logo hoje que a minha meia tá furada, pensei, mas não me intimidei...
não vai ser um dedão de fora que vai atrapalhar o meu desenvolvimento
espiritual.

Todo mundo sentadinho no chão e um sujeito que parecia o Boy George começou a queimar uns incensos e colocou uma musiquinha num cd player. Pediu pra que todos fechassem os olhos e tentassem se conectar com o cosmos... saí eu feito louca atrás de um computador... aí me explicaram que não precisa de banda larga pra se conectar ao cosmos... basta usar a minha força interior... anh, tá.

Só que nesse meio tempo o carinha começou a tirar uma onda com a cara de todo mundo. Ficava dizendo: respira, inspira, respira, inspira... Mané tá pensando que eu sou o quê? Loira? Pô, eu sei que tem que respirar e inpirar... Tomada de profundo emputecimento, levantei pra ir embora. Fui detida pelo projeto de Boy George me dizendo que agora começava a melhor parte.

Foi aqui que eu tive certeza que ia dar merda!

Pra começar, o fiadaspú colocou pra tocar Enya... porra, porque que todo o porra-louca metido a místico ouve essa merda? Não dava pra pôr um Beasty Boys não?Bem, foi ao som de Enya que o tal guru pediu pra que cada um de nós se concentrasse e tentasse esvaziar a mente ( a loirinha da esquerda foi a que conseguiu fazer isso mais rápido) e pensasse num animal. Tô eu bem faceira pensando num grande e gordo hipopótamo, numa tépida poça de lama em algum ponto longínqüo da savana africana quando uma gordinha de 200kg começa a agitar os braços rindo e gritando: eu sou um beija-flor! eu sou um beija-flor. Em seguida foi a vez do sujeito com cara de agente funerário pular e gritar: eu sou um macaco feliz, eu sou um macaco feliz.

O troço virou uma alaúza dos diabos, até que, bufando num canto da sala anunciei que era um hipopótamo e dei uma cabeçada na barriga do Iluminado.

Pra minha surpresa (e desgraça) ao invés de ser sumariamente expulsa do recinto todos me cercaram, dizendo que eu era um ser amado pelo cosmos, uma filha do universo... porra, e vocês um bando de fiadasputa.

Na hora em que pararam com tudo e o projeto de sidarta pediu pra que cada um de nós deixasse buscasse no seu interior algo que pudesse oferecer ao cosmos, não tive dúvidas: fui no banheiro e dei o melhor de mim naquele dia.


sexta-feira, julho 20, 2007

Reflexões acerca da vida

Independente do noticiário político olímpico sanguinolento dos últimos dias estou zen
(zen grana e zen paciência, considerando que já é dia 20... ) bueno, vá lá, estou meditando.
sim, estou meditando, tentando atingir o Led Zeppelin (ou vocês pensam que eu ia meditar pra atingir o Nirvana, uma bandinha fuleira?)

De acordo com este estado de graça, resolvi compartilhar com vocês uma velha fábula que me foi contada por uma velha senhora, numa velha casa... (putz, até eu fiquei velha nessa frase...)
Lá vai a fábula, macacada:

Era uma vez um filhote de passsarinho, um bicho feio que só, sem plumas ainda, com um bicão totalmente desproporcional ao corpo e uma cor horrenda... bem, era uma vez um filhote de passarinho que, numa gélida tarde de inverno, teve a infelicidade de cair do ninho. (há versões que afimam que ele foi jogado pelo irmão mais velho, mas a perícia não conseguiu comprovar...)
Caído, sozinho na grama, em sua pouca experiência - mas demonstrando grande sagacidade - o filhote de passarinho pensou: CAralho, tô fudido!
Próximo ao ninho, pastavam plácidas vacas. uma delas, num momento de tranqüilidade, distraídamente, depositou sobre o passarinho o produto final de sua digestão
(tradução pra português: a vaca cagou na cabeça do passarinho)

Solitário e quase congelado, assim que lhe caiu o excremento sobre a cabeça, nosso herói emplumado, elevou aos céus uma súplica: Pô, não bastasse ter me fudido, agora tô todo cagado!
Passado o primeiro momento de assombro e indignação o filhote de passarinho percebeu que o excremento do mamífero lhe conferia calor, e o salvara de morrer de hipotermia... e foi assim,
num exercício de reflexão incomum para sua estatura e faixa etária o filhote de passarinho sentenciou: Heis um perfeito exemplo da lei da relatividade. Há poucos segundos estava eu prestes a morrer de hipotermia e maldizendo a minha sorte. Heis que, sou alvejado por fezes, excremento, bosta... tudo o que na nossa cultura ocidental é considerado como impuro... estar coberto de excrementos é uma situação socialmente vexatória... no entanto, nesse descampado deserto, foi a salvação de minha vida (
traduzindo pro português: pra quem tá fudido, tá na merda é lucro)
As sérias ponderações de nosso filhote foram interrompidas por um gato faminto que, rapidamente, abocanhou a cabeça de nosso Pensador.

Moral da história: nem sempre quem caga na tua cabeça quer o teu mal; assim como, nem sempre quem te tira da merda é teu amigo.

segunda-feira, julho 16, 2007

Achei, achei!

Achei o endereço da minha xará!
Pô Mauro, qualé a tua vir aqui dizer que o quentão era de má qualidade?!
O quentão era ótimo!
E aquele sanduíche aberto, hein?
E a pizza? Tava tudo muito bom, ri à beça com todo mundo... até nego véio deu o ar de sua graça...
bem, esse post é pra dizer que eu achei o endereço da minha xará e vai aí embaixo pra todo mundo:


http://www.eumesmacomprareiasflores.blogspot.com

sábado, julho 14, 2007

Ane & Ane, birita e reminiscências

Ontem, sexta-feira treze (meu dia) a bruxaria me reservou uma boa surpresa: o reencontro com minha amiga e amada xará Anelise Fróes. [e eu perdi o endereço do blog dela nessa máquina dos diabos... acho que até segunda-feira consigo resgatar pra lincar nessa gazeta infecta] Ela juntou os amigos e fez um suuuuuper quentão, cada um trouxe seu prato... (só a tonta aqui pagou o mico de vir de mão abanando tsc, tsc, tsc)
Evitei de tomar muita birita... a birita faz mal pra minha reputação: eu começo a ficar amorosa, lá pela 5° dose eu tô dizendo " ti consxidero pra caralho", na 6º dose "eu zi considero meu irmão" e antes da 7º dose eu digo "cara, eu te amo, dus meu"... isso sem nunca ter te visto antes. Isso sem contar com a possibilidade de baixar o espírito da Marrom e eu começar a cantar: "não sei se vou aturar.... esses teus abusos... "
Ou seja: uma verdadeira desgraça, isso estraga totalmente a minha fama de mulé má!

O reencontro com a Ane me fez pensar numa série de coisas, coisas sérias, profundas... do genêro: o que faz duas almas se encontrarem nesse mundo e depois se distanciarem? Como, num fiofó de mundo que é Porto Alegre duas pessoas se perdem uma da outra? E, finalmente, a mais importante questão da noite: Cumé que ela conseguiu não mudar nada em 10 anos? Acho que o formol dela é melhor que o meu...

Mudando totalmente de assunto: Quem tem mais de 25 anos já se deu conta que tão estudando o nosso passado na escola? è, eu juro, outro dia tava vendo um livro didático e tava lá toda a mina memória afetiva: as diretas já! a morte do Tancredo (eu fiquei faceira porque foi feriadão e eu não tive aula), o fora Collor (onde eu comecei a quebrar o pau com a UNE), o plano REal (quando eu quase enlouqueci fazendo cálculo da URV)... caralho, tô esperando o dia em que um pirralho venha me entrevistar pra que eu conte histórias daquele tempo distante em que o Michael Jackson era preto...




sábado, julho 07, 2007

Sou o que se pode chamar de filha da abertura.
Nascida em 1977 vim ao mundo logo depois de assinarem a lei do divórcio. Nas ruas ouvia-se o grito de "ANistia Ampla, Geral e Irrestrita" (e mal sabiam que a anistia ampla, geral e irrestrita seria para os torturadores).
Eram tempos difíceis, mas também de muita esperança. Com certeza, mi madre acreditava que aquele ser de 3 kilos e 100 gramas cresceria num mundo melhor... pobre de mi madrecita.


Desde muito pequena acompanho o noticiário político deste país.
Tinha 5 anos de idade e ouvia minha mãe e meu avô comentando - após o Jornal Nacional - os avanços e recuos das Diretas.(Alguém aí se lembra das DIRETAS JÁ!?)
Minha memória guarda nomes tais como: Maluf, Renan Calheiros, Delfin Neto, José Sarney, Marco Maciel - estes, do campo direitista - e outros: Ulisses, Brizola, Lula, Gabeira...
Hoje, com 30 anos na cara vejo os mesmos nomes ocupando o noticiário político e me pergunto: Em 20 anos de democracia não surgiu uma nova geração política? Já esquecemos quem foi ARENA e quem foi MDB?
Já não sabemos mais quem é quem ou sabemos e compactuamos com o que aí está?
Se alguém souber me responder, por favor, eu agradeço.
De toda a forma, disse sei lá eu quem que cada povo tem o governo que merece.... será que nós merecemos tudo isso?

segunda-feira, julho 02, 2007

Marcadores (A relevância da vó do badanha no contexto da subjetividade pós moderna)

E aí, macacada, tudo jóia com vocês?
Meus queridos 5 leitores, estou em dívida, mas juro que, em breve, estarei de volta à velha forma. (Marconi, meu bruxo, eu juro que vou completar a saga da mulé estressada em tua homenagem, só não sei quando.)
Agora, digam cá uma coisa: Pra que que serve esse tal de "marcadores"? é pra dizer, depois do texto lido, sobre o que se tratava? é pra fazer bonito no gugol? Pra quê que serve essa porra, afinal?

Bem, vocês já sacaram que não tenho nenhuma novidade, meu humor não melhorou, minha celulite ainda não me abandonou, minha conta bancária não foi invadida por nenhum dinheiro que não sei de onde saiu (porra, nunca me aparece um dinheiro inesperado??? Será que é só em Brasília que brota dinheiro do nada?) Enfim, continuo firme e forte na minha vidinha de trabalhadora e dona de casa....