Aê, todo mundo

Seja bem vindo. Não espere boas maneiras ou mensagens edificantes!
Lembre-se: esse papo de 'só o amor constrói' é balela: quem constrói é o pedreiro.

sábado, julho 14, 2007

Ane & Ane, birita e reminiscências

Ontem, sexta-feira treze (meu dia) a bruxaria me reservou uma boa surpresa: o reencontro com minha amiga e amada xará Anelise Fróes. [e eu perdi o endereço do blog dela nessa máquina dos diabos... acho que até segunda-feira consigo resgatar pra lincar nessa gazeta infecta] Ela juntou os amigos e fez um suuuuuper quentão, cada um trouxe seu prato... (só a tonta aqui pagou o mico de vir de mão abanando tsc, tsc, tsc)
Evitei de tomar muita birita... a birita faz mal pra minha reputação: eu começo a ficar amorosa, lá pela 5° dose eu tô dizendo " ti consxidero pra caralho", na 6º dose "eu zi considero meu irmão" e antes da 7º dose eu digo "cara, eu te amo, dus meu"... isso sem nunca ter te visto antes. Isso sem contar com a possibilidade de baixar o espírito da Marrom e eu começar a cantar: "não sei se vou aturar.... esses teus abusos... "
Ou seja: uma verdadeira desgraça, isso estraga totalmente a minha fama de mulé má!

O reencontro com a Ane me fez pensar numa série de coisas, coisas sérias, profundas... do genêro: o que faz duas almas se encontrarem nesse mundo e depois se distanciarem? Como, num fiofó de mundo que é Porto Alegre duas pessoas se perdem uma da outra? E, finalmente, a mais importante questão da noite: Cumé que ela conseguiu não mudar nada em 10 anos? Acho que o formol dela é melhor que o meu...

Mudando totalmente de assunto: Quem tem mais de 25 anos já se deu conta que tão estudando o nosso passado na escola? è, eu juro, outro dia tava vendo um livro didático e tava lá toda a mina memória afetiva: as diretas já! a morte do Tancredo (eu fiquei faceira porque foi feriadão e eu não tive aula), o fora Collor (onde eu comecei a quebrar o pau com a UNE), o plano REal (quando eu quase enlouqueci fazendo cálculo da URV)... caralho, tô esperando o dia em que um pirralho venha me entrevistar pra que eu conte histórias daquele tempo distante em que o Michael Jackson era preto...




7 comentários:

Mauro Castro disse...

Acho que o quentão era de má qualidade, hein?
Há braços!!

mercedes poison disse...

Ane!!Qt tempo!Achei q tivesse sido tragada pelos tufões ai de POA!!

Bom saber que poderei vir aqui dar umas risadas e encontrar companhia para minhas indignações novamente!;)

Já saquei esse lance da história. o tempo é cruel e tá atropelando, faz mto tempo msm q Michal Jackson era preto!

Bjs e welcome back, como diria um gringo qq, hehe.

poeta matemático disse...

kkkkkkkkkkkk

Vc é muito foda

Parabéns de novo

Clarissa Dalloway (ou Srta.Eu Odeio) disse...

Ane, minha caríssima! Não tem mico algum, vc era minha convidada, mas convidada MESMO, saca? Te queria por aqui... concordo com o que falas... como a gente pode se perder? Se bem que... pode ter mesmo sido uma boa idéia, pelo menos naquela época... Aviso ao comentarista anterior que não, o quentão não era de má qualidade, estava ótimo! Não estava, Ane? Eu adorei, mesmo, estar... e todo o resto que eu tenho pra falar, e que é muito, está lá, em http://www.eumesmacomprareiasflores.blogspot.com
Beijos, figura! Não some, não, hein?

Yvonne disse...

Ane querida, se você está se sentindo assim, imagina eu que nasci em 1954. Existem momentos em que me sinto jurássica. Adoraria ver você de porre cantando igual à Marrom. Beijocas

argh, lemòn disse...

seus marcadores são q hão. leia 1985 do pedro só e CLAREIE mais ainda sua memória. sebo da rodô, 10merrel. Vale muito a pena, foi o último ano sem axé music.

engraçadinha disse...

O tempo querida Ane!
O tempo une e afasta as pessoas. Pior não é isso, pior é quando vc reencontra e vê q perderam o timming e já não têm mais nada a ver com aquela pessoa. Aí vc pensa:
melhor seria não ter encontrado!
Quanto a parte de história do Brasil, vou saber quando Pacote chegar nessa fase.
Deixa eu me iludir, vai?