Aê, todo mundo

Seja bem vindo. Não espere boas maneiras ou mensagens edificantes!
Lembre-se: esse papo de 'só o amor constrói' é balela: quem constrói é o pedreiro.

quarta-feira, agosto 29, 2007

Sem título

Mais um escríto da série “meus dedos gelados espancam o teclado”?

ah, me poupe!
Que tal então mencionar a tríade “solidão-café-cigarro”...
putz, má que clique dos infernos!

Tá, então começa assim: a chuva fina na janela...
– aí, qué que eu corte os pulsos?
Bom, então assim: diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral...

- Pó, tá aí, gostei desse lance da “insônia ancestral”... parece até frase de prêmio Nobel...
Vãobora:

Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral, lembrei que tinha que comprar papel higiênico e ração pra gata...
-
- Pára, pára tudo, sua demente! Onde já se viu fazer lista de compras diante da insônia ancestral!? Diante da insônia ancestral é pra pensar no sentido da vida, na fluidez do universo, na insensatez humana... estourando a fita dá pra pensar no que seria do mundo sem o computador... mas lista de compras?!?! aí já é demais.

Acontece, que eu não tô conseguindo nem a chuva fina... e meus dedos estão, de fato, congelados espancando o teclado, porque nessa casa não tem calefação, estufa ou o que quer que seja...

-Tá, quer que eu faça o quê?

Dá pra me trazer café?

Não, eu não vou te trazer café, estrupício. Bora escrever!

Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral “eu vou pra maracangalha, eu vou! Eu vou de uniforme branco/ eu vou/ Eu vou de chapéu de palha, eu vou”
Pára, sua mentecapta. Isso lá é hora de ir pra Maracangalha?

Tá aí, Maracangalha! É um nome ótimo pra uma daquelas histórias tipo Ilusionismo Fanático!

- Ilusionismo fanático? Que porra é essa?

- Aqueles lances prêmio Nobel, tipo trocentos anos de solidão...
-
Ai, Jesus, me chicoteia! 100 anos de solidão... e de onde saiu o ilusionismo fanático... é REALISMO FANTÁSTICO!

- Ah, ilusionismo, realismo, dá tudo na mesma merda no fim das contas.

- Ah, não, agora resolveu bancar a niilista! Tsc, Tsc, Tsc...

- Tá bom, vou começar tudo de novo: Diante da folha em branco, imersa numa insônia ancestral, finalmente, após longos anos de tentativas frustradas cheguei a conclusão que eu escrevo mal pra caralho. Ponto final. Fim de papo.

9 comentários:

Yvonne disse...

Ane, você é demais da conta. Por favor, algum dia escreve algo bem sério ou triste, rsrsrs. Menina, eu morro de rir com seus posts. Você e Engraçadinha são as minhas Dercy Gonçalves da blogosfera. Beijocas

Cinara disse...

Adorei isso!
Abraços

Clarissa Dalloway (ou Srta. Eu Odeio) disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Clarissa Dalloway (ou Srta. Eu Odeio) disse...

Escreve bem pa caraio, fazer o que? Adooooooooooooooooooooooooooooro! E quando some, quase que mando a poliça atrás...Só não mando porque com os homi não se brinca, né?! Sodade, mulé! Bêjos, apareça!

Sheherazade disse...

Coisa boa é vir aqui à uma e meia da matina, dar boas gargalhadas e dormir desopilada (seja lá o que isso fôr). Quá quá quá quá quá!!!

Um xêro, mulé!

zealfredo disse...

He, he... :))
E o título é "Sem Título".

Cadinho RoCo disse...

Dormiu como uma pluma, peninha de asa de anjo flutuando em sonhos porque com talento que possui não se presta a qualquer insônia, ainda mais aquela que titula-se ancestral.
Cadinho RoCo

poeta matemático disse...

Q é isso?

Se tu escrevesse mal, tu acha mesmo que eu ia perder meu tempo te lendo?

O lance é q tu é vangüardista, güapa...

E tenho dito...

Engraçadinha disse...

Discordo. Eu não saberia postar nada com ismo...